Discriminação Internacional por Nacionalidade

Em países como o Brasil, pessoas jurídicas também podem ser alvo de discriminação por nacionalidade. Parece haver favorecimento de capitais externos no controle das grandes empresas constituídas em solo brasileiro. Um tema correlato, mas distinto do artigo brindado pelo professor Fernando Nogueira.

Blog Cidadania & Cultura

Simon Kuper (FT, 28/07/22) resenhou um novo livro, “Inside Qatar”, o antropólogo John McManus pede a um barista nepalês em Doha para explicar a hierarquia do país no Golfo Pérsico: “Quem está no topo?”, pergunta o escritor. “Os qatarianos, é claro”, responde o barista. “Em segundo, os países europeus e os Estados Unidos. Em terceiro, outros países árabes e nacionalidades.” E embaixo? “Sempre Nepal, Índia, Sri Lanka.” Um escalão pode ter ficado faltando, como McManus sugere: “Todos os guardas de segurança são africanos negros”.

Temos familiaridade com as noções de discriminação de raça e de gênero, mas o que está sendo descrito aqui é uma discriminação pela nacionalidade. Ela se manifesta de sua forma mais crua e descarada no Qatar, em parte porque pessoas do mundo inteiro confluem para o país. Mas ela existe em todas as cidades globais e ambientes de trabalho internacionais. Há uma…

Ver o post original 789 mais palavras

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, conselheiro da Casa do Povo, EngD, CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: