Dívida pública paulistana no século 21

Em 2000, a Cidade de São Paulo, a exemplo de outros grandes município e Unidades da Federação, consolidou sua dívida junto à União, por meio do contrato constante das fls. 755 e seguintes do processo 2006-0000625-1, firmado em 2.8.2004, ao albergue da Medida Provisória 1.696-15/00 e Resoluções e Decretos pertinentes. A Lei Municipal nº 12.859/99, por sua vez, dava autorização legislativa para o ato do prefeito.

O processo consistia em transferir à esfera federal o compromisso com os credores, assumindo encargos com a União que, na prática, concentração ainda mais a gestão dos recursos públicos no país. No mesmo período, o banco estadual paulista foi transferido a proprietário particular (depois ao capital estrangeiro) e a Caixa Econômica do Estado, mais adiante, foi incorporada ao Banco do Brasil. Esse par de medidas dificultou o financiamento da atividade pública local, vez que os bancos deixaram a esfera federativa imediatamente superior ao município.

Consolidação

Em 13.12.1999 o valor consolidado da dívida era de R$ 10,5 bilhões, dez dos quais relativos à mera rolagem de dívida mobiliária anterior constituída até 1995.

O parcelamento em 30 anos previa, além de correção monetária, juros de 9% ao ano, poderiam ser reduzidos a 7,5% e 6%, se o devedor amortizasse nos primeiros 2,5 anos 10 ou 20% da dívida, o que não foi feito por São Paulo.

À guisa de comparação, o Tesouro Direto nunca ofereceu aos cidadãos mais que 4% sobre a inflação. A dívida média de cerca de R$ 1.000 por habitante da capital paulista recebeu cobrança de encargos, portanto, bastante superiores ao que o governo pagava ao próprio sistema financeiro nacional.

Antes mesmo da consolidação da dívida paulistana, a administração carioca firmou contrato com a União em 1.10.1999 unificando R$ 2,65 bilhões de pendências financeiras municipais. À diferença dos paulistanos, porém, optou por quitar 20% no início, tendo no longo prazo um dever da ordem de R$ 2 bilhões a juros de 6% anuais mais correção monetária. O valor era a quinta parte da dívida de São Paulo e os encargos duas terças partes do aplicado no contrato paulistano.

Evolução

Cada prestação paulista era estimada, em valores de 3.2000, em R$ 82 milhões, limitada a 13% da Receita Liquida Real. A cada mês, 0,78% do saldo devedor precisaria ser pago à União, sendo este corrigido monetariamente pelo IGPM.

A atualização do contrato mostrou uma dívida impagável, pois o limite prestacional de 13% não mais permitia quitar o saldo devedor.

A combinação de juros e amortizações levou, em 2016, a um montante acumulado de R$ 75 bilhões – mais que o dobro da Receita Corrente Líquida total da cidade, ainda cinco vezes maior que o do Rio de Janeiro, contabilizado em R$ 16,6 bilhões. Nova regra legal fez reduzir o débito paulista a R$ 30 bilhões, passando a três vezes o carioca, que ficou em R$ 10,5 bilhões.

O aditivo contratual de 26.2.2016 estabeleceu juros de 4%, acrescidos de correção monetária pelo IPCA ou Selic, a menor entre dois índices.

Situação atual

No quadrimestre fechado em Agosto de 2020 a Cidade de Paulo ostentava uma Receita Corrente Líquida Ajustada de R$ 57,5 bilhões. Ao custo anual aproximado de R$ 1,5 bilhão desde 2017, ou 2,5% da RCLA, o saldo devedor com a União reduziu-se em R$ 4 bilhões, a R$ 26,2 bilhões.

R$ 1,26 bilhão de novas operações foi contratado (R$ 300 milhões em 2020). Somados à dívida com a União e a precatórios de R$ 14,3 bilhões, compõem a dívida consolidada de R$ 42 bilhões, representativa de 73% da RCLA.

Embora estável o saldo consolidado, a posição de caixa de R$ 20 bilhões, R$ 6,5 bilhões a mais que em Dezembro de 2019, traz a dívida líquida a 38,5% da RCLA (era 54% no final do último exercício).

O limite de endividamento (120% da RCLA) permitira assumir novos financiamentos de R$ 46 bilhões, ou R$ 38 bilhões, considerado o caixa de 12.2019, ou mesmo R$ 26 bilhões se desprezado o caixa dedutor da dívida consolidada.

No entanto, o Senado fixou um teto de 16% para operações de crédito, ainda assim permitindo multiplicar por oito (a R$ 9 bilhões no total) o valor hoje contratado.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: