Família mal-agradecida?

Lauro Jardim apôs nota em O Globo sobre circulação monetária:

Uma família de São Paulo acaba de enviar ao exterior a módica quantia de R$ 50 bilhões (são bilhões mesmo). Tudo legal e regular. Tanto que apenas de ITCMD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação) pagou R$ 2 bilhões (sim, são bilhões mesmo).

Deixemos ao contencioso judicial a discussão da legalidade da operação e tributo devido aos cofres públicos. Concentremo-nos na acumulação financeira que possibilitou o movimento noticiado.

Antes, porém, convém quantificar o que seja R$ 50 bilhões no Brasil de hoje: uma cadeia de lojas maior que a rede gaúcha Renner, cinco construtoras como a Cyrella ou mesmo uma operadora nacional de planos de saúde. É a terça parte de um banco do porte do Itau!

Juntar essa dinheirama não é produto do trabalho de uma só pessoa, mesmo que a sua jornada semanal fosse superior a 48 horas, o máximo permitido pela legislação brasileira. Nem mesmo de uma família inteira. Vejamos.

Imaginemos o titular da conta casado e com quatro filhos adultos, também casados. Dez pessoas em idade de trabalhar. Se cada um ganhasse o teto do serviço público – o subsídio presidencial – e poupasse a metade da sua renda, até à aposentadoria reuniriam nada módicos R$ 80 milhões. Para completar a fortuna precisariam de nada menos que 64 mil empregados trabalhando por uma vida e gerando, cada um deles, um lucro semelhante ao salário médio pago no Brasil.

A usina José Bonifácio de Andrada e Silva, em Cubatão, emprega hoje 1600 trabalhadores metalúrgicos. A massa de empregos que cinquenta bilhões seria capaz de gerar equivaleria a quarenta dessas plantas industriais. Em outras palavras, uma cidade com 100-120 habitantes teria pleno emprego com dinheiro ora escoado para fora do país.

Em suma, dezenas de milhares de pessoas contribuiram para a formação do patrimônio familiar, mas a fuga do capital deixaria uma cidade inteira às escuras, sem trabalho e sem renda.

É justo?

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

2 comentários em “Família mal-agradecida?

  1. COMANDANTE,

    Gostei !!!!

    Que FAMÍLIA é essa que mandou R$ 50 bilhões para o exterior ???????

    Sds,

    Paulo Marcos F. Cossa

    Diretor

    R. Afonso Celso, 1629 – 4º andar – V. Mariana São Paulo, SP – Brasil 04119-062

    (11) 5070 – 0047

    (11) 99129 – 4149

    http://www.delcossa.com.br

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: