Pentágono estaria produzindo armas biológicas na floresta amazônica?

por Lucas Leiroz de Almeida*

“O tema da guerra biológica ganhou destaque crescente nos últimos tempos.

A pandemia global do novo coronavírus despertou interesse nesse assunto em particular, e várias especulações surgiram por especialistas de vários países sobre a possibilidade de uma origem artificial do vírus que atualmente assola o planeta. De fato, não importa se esse vírus específico foi criado em laboratório ou não, mas o uso da manipulação biológica para fins militares é um assunto complexo e digno de estudo cuidadoso. O interesse pela questão é absolutamente legítimo e permite que esse debate vá além da esfera das “teorias da conspiração” e adquira um caráter acadêmico.

Recentemente, alguns casos alegados de operações com armas biológicas receberam a devida atenção, graças às suspeitas levantadas pela pandemia. É o caso dos laboratórios militares americanos na floresta amazônica. Embora pouco se diga sobre esse assunto, as forças armadas americanas mantêm vários laboratórios para fins obscuros de pesquisa no território amazônico. Já se sabe que muitos desses laboratórios têm ou tiveram uma participação ativa no processo de produção de drogas por organizações criminosas do narcotráfico escondidas na Amazônia. O laboratório mais notório é o chamado NAMRU-6, que pertence à Marinha Americana.

O “Observatório para o fechamento da escola das Américas” relatou em uma nota que várias pesquisas de doenças bacteriológicas e tropicais estão sendo realizadas na Amazônia peruana pela base NAMRU-6.

‘No Peru, os Estados Unidos têm várias bases militares, algumas supostamente envolvidas no narcotráfico”, disse Pablo Ruiz, porta-voz do observatório, enfatizando: “Esta é uma base militar que estamos monitorando, que pertence à Marinha dos EUA. . […] (NAMRU) Realiza pesquisas sobre doenças patológicas e infecciosas, e estamos muito preocupados porque é perto da Amazônia e, eventualmente, nessa base militar, eles poderiam estar preparando armas biológicas’.

O NAMRU-6 (Unidade Naval de Pesquisa Médica Seis) é um centro de pesquisa biomédica da Marinha Americana com sede em Lima, Peru. Publicamente, Washington afirma que o interesse das pesquisas realizadas pela base é a identificação e controle de doenças infecciosas e o desenvolvimento de medicamentos para seu controle, porém existem várias suspeitas sobre a real natureza de suas atividades, com a hipótese de clandestinidade das operações de manipulação biológica sendo altamente consideradas. Segundo o Observatório (que é um movimento social que luta pelo fim de bases militares estrangeiras na América Latina), o NAMRU está por trás da criação de várias armas biológicas, muitas das quais já foram usadas em combate pelos EUA.

O porta-voz do Observatório informou que as investigações realizadas no NAMRU sugerem que essa base está por trás da epidemia de dengue hemorrágica em Cuba em 1981, que causou a morte de centenas de pessoas. A hipótese ganha ainda mais força agora que são encontradas evidências do uso do mosquito “aedes eagypt” (hospedeiro do vírus que transmite dengue e outras doenças) como arma biológica pelo Pentágono em várias regiões do planeta, conforme descrito em vários documentos oficiais revelados recentemente.

Pablo Ruiz argumentou que os órgãos da ONU responsáveis ​​pelo controle de armas de destruição em massa deveriam trabalhar mais de perto com relação às armas biológicas e buscar maior controle sobre as atividades realizadas pelos laboratórios militares. Nas suas palavras:

‘Na situação que a humanidade está enfrentando atualmente, seria muito bom se o órgão da ONU que garante que nenhum país produza armas de destruição em massa pudesse visitar esta base e ver o que se está a ser feito ali com doenças infecciosas’.

De fato, muita atenção tem sido dada nas últimas décadas ao perigo da proliferação de armas nucleares; no entanto, as armas biológicas quase nunca são tratadas com seriedade, com quase todas as reclamações sobre o assunto sendo referidas como “conspiratórias”. A razão para isso é compreensível: quando usadas, as armas biológicas transmitem uma atmosfera de “normalidade”, pois lidam com fenômenos naturais que são manipulados artificialmente. Portanto, a última coisa que se pode pensar em uma infecção é que ela é uma arma militar e não um fenômeno natural. Mas é exatamente aqui que os benefícios do uso de tais armas são: eles quase nunca são notados e seus danos podem ser maiores que os das armas químicas e nucleares – que identificam claramente seus lançadores. A dificuldade em entender se essas armas foram ou não usadas em um determinado evento foi a principal razão pela qual alguns países optaram por avançar na pesquisa para desenvolver esses produtos.

É cada vez mais difícil negar a existência de armas biológicas. É uma questão de tempo antes de admitir publicamente que o campo biomédico é um campo de batalha como qualquer outro, como aconteceu recentemente com o ciberespaço. No entanto, até que se prove se essas armas estão sendo usadas, muitas coisas continuam a acontecer, como, por exemplo, pesquisas ultra-secretas da Marinha Americana na Floresta Amazônica. A localização é extremamente estratégica: longe de qualquer país rico, em regiões remotas e de difícil acesso, esses laboratórios permanecem fora da mídia internacional e não colocam em risco as populações dos centros urbanos ocidentais em caso de acidentes ou vazamentos.

De fato, Washington já tem várias acusações de usar armas biológicas. Especialistas da Rússia, China, Irã e várias outras nacionalidades levantaram essa hipótese sobre o novo coronavírus. Agora, uma nova cobrança vem da América do Sul. Acima de tudo, os EUA devem uma resposta ao mundo. Afinal, o que há de tão secreto na pesquisa biomédica sendo realizada em laboratórios militares em áreas remotas do globo? A sociedade internacional exige uma explicação.”

*Lucas Leiroz é pesquisador em direito internacional na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Este artigo foi publicado originalmente no InfoBrics  e reproduzido em português da Pesquisa Global.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

3 comentários em “Pentágono estaria produzindo armas biológicas na floresta amazônica?

  1. Essa Pandemia faz parte da guerra híbrida desencadeada pelos EUA.
    Eles tentaram causar confusão com o vírus da gripe suína africana. A China teve de exterminar ( 100 milhões + matrizes ) todo seu plantel suíno em dias.
    Ninguém mais falou das duas senhoras americanas que foram a óbito em início de setembro nos EUA.
    Detalhe: elas nunca viajaram para a China, não se realacionaram com nenhum Chinês, nem com alguém que tenha ido à China, praticamente não saiam de casa. A autópsia revelou que morreram de corona vírus.
    O Covid- 19 foi introduzido na China com a comitiva de atletas norte- americanos nos jogos militares realiza
    dos em out/set ( ? ) Na cidade chinesa de Wuhan.
    O covid-19 foi manipulado ( trabalhado geneticamente) por laboratório americano. No desencadeamento de um ataque na guerra híbrida, o mais importante é a introdução do vírus e não deixar rastro. A China proibiu o comércio de animais silvestres em todas as feiras e mercados no país.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: