Por que lutamos?

A cognição humana serve, ou deveria servir, para da História tirar lições engrandecedoras do saber coletivo da espécie. Não é o que parece acontecer no Brasil de hoje, onde um cidadão se sente à vontade para ostentar o ódio nazista no braço em local público e a polícia, acionada pelos frequentadores do bem, entendeu que o crime em curso não precisava ser contido.

A recente marcha do fascismo levou-me a completar a assistência à série documental estadunidense “Por que lutamos?“, na qual o diretor Frank Capra expunha aos combatentes a motivação oficial do país para atravessar o oceano e enfrentar os planos escravagistas da Alemanha e do Japão, em nome da vida, da liberdade e do direito de ser feliz de toda a gente.

No primeiro dos sete capítulos da série, de aproximadamente uma hora cada, o Departamento de Estado expõe o que é o fascismo e como ascendeu ao poder em três países, bem como revela seus planos de redesenhar o mundo. Nos dois seguintes mostra o início da escalada escravagista, tanto na Europa como no oriente. Antes de culminar nos efeitos do conflito sobre os interesses americanos, trazem imagens epopeicas das batalhas da Grã-Bretanha, Rússia e China.

Combata o fascismo onde quer que ele apareça

A posição dos EUA quando do inicio dos ataques – Manchúria, Etiópia e a região dos Sudetos – era de neutralidade, sem fornecimento de suprimentos de guerra a qualquer das partes, posição que contava com razoável apoio popular. A dissimulação própria dos fascistas conseguiu, por um bom par de anos, fazer os governos estrangeiros acreditarem nos tratados de não-agressão, ou mesmo na simples palavra de Hitler e seus asseclas, do desinteresse alemão em ocupar um país vizinho.

A invasão da Polônia em setembro de 1939, sem qualquer anúncio pelo tratante alemão (sim, em 1935 os governos fizeram seu pacto de não agressão), deu início à globalidade dos conflitos, com a Inglaterra (proprietária de outro papel assinado) e a França declarando guerra ao nazismo. O fato foi suficiente para os americanos romperem com a neutralidade, mas não ainda para entrarem na briga, o que aconteceu somente após a agressão japonesa ao território dos EUA, durante uma conversação diplomática.

Importante frisar a relevância da atuação do embaixador Joseph Davies, que representou os EUA na União Soviética entre 1936 e 1938, dedicando os anos seguintes a percorrer o país explicando qual era o lado certo a se aliar. Sua história pode ser conferida em Missão a Moscou*.

Quanto de vidas, de liberdade e do direito de ser feliz poderia ter sido poupado à destruição nazifascista se a consciência tivesse chegado mais cedo aos que pensaram ser o fascismo uma realidade distante?

O comandante das forças aliadas G. Marshall declarou que a “vitória da democracia só pode ser completa com a destruição absoluta da máquina de guerra da Alemanha e do Japão”.

Por um período bastante extenso assim parecia que havia sido. Mas as milícias no poder nos fazem pensar que a vitória aliada não tenha sido definitiva. Afinal, como se vê no premiado russo Tigre Branco*, de 2012, “ele [o fascismo] está bem atrás de você”.

Será?

*Missão a Moscou já foi exibido na TV Cultura e o livro pode ser adquirido em sebo eletrônica, Tigre Branco é produção da Mosfilm e distribuído no Brasil pelo CPC-Umes.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Um comentário em “Por que lutamos?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: