Dia nacional do Aposentado

Longa, saudável e feliz vida ao aposentado brasileiro, hoje e sempre. E com reajuste real de 10% nos benefícios!

Merece mais do que felicitações pelo seu Dia quem, ao longo de uma vida de trabalho, construiu um patrimônio social para si, seus filhos e compatriotas: o aposentado brasileiro; foi em 24.1.1923 que a Lei Elói Chaves deu o primeiro passo à previdência social no Brasil.

Haverá quem diga que a previdência social brasileira está quebrada e não pode sustentar vida digna às pessoas, “orientando-as” para procurar bancos privados ou formar sua própria poupança para a velhice, que se espera longeva.

Se há qualquer fogo sob essa fumaça, não se deve à imprevidência do trabalhador. Façamos um exercício, com as regras vigentes na maior parte do período aquisitivo de quem se aposentou ou está para se aposentar nestes tempos:

Imaginemos um cidadão que começou a trabalhar em 1989, logo após o advento da Constituição cidadã, recebendo um salário mínimo e, fruto do seu aprendizado laboral, evoluindo ano a ano até atingir, em 32,5 anos, a marca dos cinco salários. Tendo ele 62,5 anos de idade – a média exigida hoje para a aposentadoria, uma poupança de mais de meio milhão de reais terá sido construída, considerados os modestos juros básicos, inferiores mesmo aos que o governo admite pagar aos rentistas que compram títulos públicos federais.

Isso é o bastante para lhe sustentar os três salários mínimos que lhe serviram de contribuição média, se acrescida a fração do terço previdenciário das contribuições à seguridade social, por 14 anos, se considerarmos a também modesta evolução da produtividade nacional em 1% ao ano, desde os tempos em que robô era peça de ficção.

As contribuições previdenciárias e os direitos que se estão tirando:

Um tempo pelo menos dois anos maior que a expectativa de sobrevida no Brasil de hoje, mesmo relevando os efeitos pandêmicos que têm encurtado a existência dos nossos às centenas de milhares.

O gato comeu o dinheiro? Responsabilidade de quem o permitiu, não de quem trabalhou por vida boa na melhor idade.

Quem respeita e gosta dos mais velhos não se oporá de lhes melhorar a renda em 10%, neste 24 de Janeiro de 2021. Já os banqueiros…

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: