Milícias: Estado Terceirizado

Tem uns dias um colega de faculdade, em um grupo da turma nas redes sociais, sugeriu retirar o governo da equação de acomodação dos interesses privados na sociedade, quando falávamos sobre a desindustrialização em marcha no Brasil. Segundo ele, se o Estado não atrapalhasse, as forças produtivas se acomodariam natural e civilizadamente em prazo relativamente rápido. No calor do debate, havia lembrado como modelo de inumanidade o bombardeio atômico de Hiroshima e Nagazaki, que mudou a geoeconomia global em 1945.

O novo livro de Bruno Paes Manso mostra como o “negócio” miliciano, privado, acomodou-se em parte densamente habitada do território nacional. Fácil ver que foi além. A “ordem” social imposta pelos seus chefes não apenas concorre com a República Democrática de Direito, como também procura dela se apropriar.

Quem resume “A República das Milícias” é o professor doutor Fernando Nogueira da Costa.

Blog Cidadania & Cultura

Bruno Paes Manso (A República das Milícias: dos Esquadrões da Morte à Era Bolsonaro” (São Paulo: Todavia; 2020. 1ª. edição, 304 páginas) diz: oacesso a fontes atacadistas também fortaleceu, em São Paulo, o Primeiro Comando da Capital (PCC). Percebeu os riscos e os custos elevados do varejo das drogas na cidade, apostando todas as fichas na expansão de seus negócios para as fronteiras.

O grupo paulista aproveitou o espaço deixado depois da prisão de Fernandinho Beira-Marem 2001 nasselvas colombianas, pelo Exército do país, junto comintegrantes das Forças Armadas Revolucionárias daColômbia (Farc). Eles forneciam a ele cocaína em troca de armas.

O PCC montou uma ampla rede de distribuição de drogas a partir de uma rede de aliados em presídios brasileiros. Esta história Bruno Paes Manso e a socióloga Camila Nunes Dias contaram no livroA Guerra: A Ascensão do PCC e o Mundo do Crime no Brasil [São…

Ver o post original 773 mais palavras

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central e do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: