A vanguarda maranhense na questão previdenciária

28 de novembro de 2019

A celeridade com que o Maranhão adequou a sua lei aos novos ditames previdenciários da Emenda Constitucional nº 103 trouxe algumas notícias críticas ao ato estatal e manifestações de desconforto entre servidores públicos não só maranhenses, mas também de diversos outros entes subnacionais.

As contas públicas

Ao invés de equilibrar as contas públicas com o crescimento da economia, e com isso dispor de mais recursos para assegurar os direitos à aposentadoria dos trabalhadores, a administração federal optou pela chamada reforma previdenciária, confiscando mais uma parte dos salários e proventos dos servidores públicos ativos aposentados para reduzir os gastos públicos com sua função precípua, de servir à sociedade, acarretando colateralmente a redução maior ainda do consumo familiar.

Ademais, a Lei impôs aos Estados, Distrito Federal e Municípios o cumprimento das condições mínimas aplicadas à União, autorizando aos entes subnacionais a adição de outros quesitos, desde que com o memso propósito de transferir crescentemente ao servidor uma responsabilidade que é sua, quanto ao regime próprio de previdência.

Em palestra recente do consultor do DIAP Antonio Augusto de Queiroz, o especialista em Congresso Nacional formulou a tese de que pequenas derrotas, diante da avalanche governamental sobre os direitos dos trabalhadores, poderiam até ser consideradas como vitórias. O que se viu no Maranhão teria sido uma “pequena derrota”? Vejamos.

A reforma previdenciária e os Estados

Em 13.11.2019 o novo comando constitucional foi publicado no Diário Oficial da União, vez que promulgado na véspera. Menos de dez dias depois, a Lei maranhense, por iniciativa do governador Flávio Dino (PCdoB-MA), já se encontrava em linha com o novo texto da Carta Magna.

A Constituição da República Federativa do Brasil fixa o recolhimento previdenciário mínimo das Unidades da Federação em patamar igual ao da União. Em até dois anos, a legislação estadual e distrital precisa estar adequada, sendo impositiva aos municípios subordinados até que, e se, estes tratem em lei municipal dos seus eventuais regimes próprios.

O Maranhão foi pioneiro e adotou os critérios mínimos permitidos, criando referência às demais unidade da Federação.

Certos blogueiros e repórteres também não perderam tempo: destacando que “a maioria dos servidores ganha entre 2 e 3 mil reais”, noticiaram o aumento da contribuição para todos os servidores maranhenses que ganham esses salários ou mais. Nessa faixa, a alíquota passa de 11 para 12%.

Não é assim que se faz a conta. Cada faixa de tributação tem sua própria alíquota e o valor total é composto progressivamente por diferentes parcelas, conforme o quadro seguinte:

    Fonte: Governo federal

No Maranhão, o dano foi o mínimo permitido

De fato, todos os servidores maranhenses que ganham menos de R$ 4.500,00 mensais vão contribuir menos que hoje e aumentar a sua renda líquida e o seu consumo na economia. Uma maioria ainda mais extensa que a colimada pelos críticos à nova redação da Lei Complementar nº 73, de 4.2.2004. E os cofres públicos, em linha com a Constituição Federal vigente, aumentarão sua contribuição ao Fundo de Aposentadorias do Maranhão dos atuais 15% para o dobro do arrecadado junto aos servidores.

Nenhuma das autorizações arrecadatórias federais foi adotada no Estado: as pensões por morte, mesmo para salários acima do teto do INSS, não sofrerão corte adicional de até 10%; a idade mínima não será majorada; e os aposentados e pensionistas que ganham entre um e seis salários mínimos não serão tributados.

Os servidores estaduais com maiores salários, os mais especializados, sofrerão indevida redução dos seus vencimentos por imposição da EC nº 103, em linha com a penalização aos servidores da União, que já contestam judicialmente a própria reforma previdenciária. O mero desestímulo ao desempenho das funções ou até o desligamento da carreira pública só podem prejudicar a qualidade dos serviços que são prestados pelos entes federativos.

Diante da realidade demeritória que se impôs ao serviço e aos servidores públicos por iniciativa do governo federal, mais tempo de debate na sociedade e nas Assembleias Legislativas das Unidades Federativas só serviria para eventual majoração de tributos e corte adicional de direitos dos trabalhadores do serviço público.

Assim, a celeridade maranhense pode, mesmo diante da perversidade da reforma oficial, ajudar outros entes federativos a também optar pelos padrões mínimos e preservar os direitos que restam. E, pelo menos no Maranhão, reduzir mais rapidamente a contribuição previdenciária de quem ganha menos.

*Colaboraram Nivaldo Santana e Carlos Alberto Pereira

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central, do Instituto Cultural Israelita Brasileiro e membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. De São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: