Cem anos de insulina

Foto de Junior Ventura (Alese)

Em 11 de janeiro de 1922, cientistas da Universidade de Toronto, Canadá, foram para uma enfermaria de hospital com crianças diabéticas, a maioria delas em coma e morrendo de cetoacidose (alto nível de glicose no sangue). A sala estava cheia de pais sentados à beira do leito esperando a morte inevitável de seus filhos.

No ano anterior, eles entenderam como a insulina funcionava no corpo humano e como poderia ser utilizada no tratamento da diabetes tipo 1. Até então, a diabetes era combatida apenas com dieta rigorosa, que acabava levando os pacientes à subnutrição crônica.

Os cientistas foram de cama em cama e injetaram nas crianças o novo extrato purificado – insulina. Quando eles aplicavam na última criança em coma, a primeira criança injetada começou a despertar. Então, uma por uma, todas as crianças acordaram de seus comas diabéticos. Uma sala de morte e tristeza tornou-se um lugar de alegria e esperança.

Frederick Banting e Charles Best, descobridores da insulina, receberam pela sua obra humanitária em 1923 o prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia, em conjunto com John Macleod e James Collip.

Com informações da Assembleia Legislativa de Sergipe.

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: