Revisão nas Estatísticas do Comércio Exterior

Fernando Nogueira traz dois graves aspectos envolvendo as relações financeiras exteriores do Brasil.
Primeiro, a fabricação de superávit comercial com a subvalorização das importações em nada módicos 10 bilhões de reais, uma maneira de fazer -8 virar +2; segundo, um movimento de substituição da autoridade monetária pelo interesse privado na esfera cambial, este oferecendo dólares àquele somente quando o preço estiver bem elevado e comprando no movimento inverso, já que há uma montanha de dólares que ficam no exterior para novas importações, que nem sempre passam pelos controles públicos brasileiros, embora envolvam o nosso comércio internacional.
E há um novo mecanismo de apropriação do dinheiro público: os empréstimos intercompanhia, entre o “bolso” no exterior e o “bolso” no Brasil, com um vai-e-vem de dezenas de bilhões de dólares que meramente se aproveitam das diferenças tão legais como amorais do preço dos reais em relação às moedas estrangeiras.

Blog Cidadania & Cultura

Alex Ribeiro(Valor,04/05/2021) informa: o Brasil caminhava para registrar o primeiro superávit em conta corrente desde 2007, mas uma revisão nas estatísticas do comércio exterior mostrou que as importações são maiores do que se estimava e o ganho na balança comercial, menor.

A projeção oficial do Banco Central (BC) é de um superávit em conta corrente de US$ 2 bilhões. É quase um número de equilíbrio, mas, de qualquer forma, em terreno positivo. As estimativas da autoridade monetária foram feitas quando o déficit em conta corrente acumulado em 12 meses até fevereiro estava calculado em US$ 6,9 bilhões, ou 0,48% do PIB. Com a revisão estatística, porém, passou a ser de US$ 18,1 bilhões, ou 1,26% do PIB.

Grande parte dessa revisão está ligada à mudança na maneira como a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) calcula as importações. Uma das alterações mais significativas foi feita no chamado Recof

Ver o post original 1.201 mais palavras

Publicado por Iso Sendacz

Engenheiro Mecânico pela EESC-USP, Especialista aposentado do Banco Central, diretor do Instituto Cultural Israelita Brasileiro, conselheiro da CNTU e Aguaviva, membro da direção estadual paulista do Partido Comunista do Brasil. Foi presidente regional e diretor nacional do Sinal. Nascido no Bom Retiro, São Paulo, mora em Santos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: